6 cuidados especiais para a saúde da mulher

Postado por master em 28/mar/2022 - Sem Comentários

Neste mês tão especial de luta para todas as mulheres, para encerrar com chave de ouro decidimos trazer algumas dicas especiais para que você mulher se cuide e se ame cada vez mais. É verdade que cada mulher é única e precisa de cuidados individuais mas hoje vamos te falar de recomendações também importantes pra sua saúde.

1. Cuide da sua alimentação

Sim essa é uma recomendação universal, mas como as mulheres têm maior tendência para acumular gordura em certas partes do corpo, o cuidado com a alimentação faz a diferença para controlar por exemplo o colesterol. Não estamos falando de dietas restritivas mas sim que você encontre uma alimentação balanceada e com acompanhamento profissional.

2. Pratique atividades físicas

Nós todos sabemos o quanto o sedentarismo faz mal, então para um corpo e mente saudável escolha uma atividade que te dê prazer e tenha frequência.

3. exames periódicos em dia

Sabe aquele check-up anual? Como anda o seu? Ele é essencial para diagnosticar doenças o quanto antes e ter um acompanhamento médico. Exames como a mamografia ou o Papanicolau por exemplo devem ser feitos todo ano, não esqueça. Procure seu médico.

4. Visite o médico com frequência

As visitas ao médico especializado na saúde da mulher não devem acontecer apenas para a realização de exames. Se notar qualquer sintoma ou desconforto, é preciso procurar um especialista para receber o diagnóstico e o tratamento adequados. Também é importante conversar com especialistas para definir métodos de contracepção ou tirar dúvidas sobre o próprio corpo, por exemplo.

5. Cuide da saúde mental

Nestes últimos dois anos de pandemia muito se falou sobre saúde mental. Não deixe pra depois, procure ajuda profissional que podem ajudar em quadros como depressão, ansiedade e estresse além de ajudarem a manter um equilíbrio emocional.

6. Cuide da higiene íntima

Dê atenção à sua região íntima para evitar infecções comuns, como a candidíase. É crucial usar apenas produtos recomendados para a área (e pelo médico), além de evitar uma limpeza agressiva. Também é importante ter cuidado com alguns hábitos, como não usar roupas muito apertadas, não ficar com a roupa íntima ou biquíni molhado um longo tempo e não compartilhar certos objetos pessoais.

Fonte: Einstein

Especialidades Suzanclin: Alergista e Imunologista

Postado por master em 14/mar/2022 - Sem Comentários

Continuando nossos posts sobre especialidades médicas que atendemos aqui na Suzanclin, hoje vamos falar sobre o médico alergista e imunologista.

A graduação na faculdade de medicina tem a duração de 6 anos, sendo apenas o início da carreira do médico, que vive em constante atualização. A especialização é um passo natural para aqueles que desejam seguir uma área de atuação, para receber o título de especialista, o profissional precisa realizar 2 anos de residência em Clínica Médica e após, realiza sua especialização na residência de Alergista e Imunologista, que tem a duração de mais 2 anos, totalizando ao todo, 10 anos de estudos para obter o título de especialista.

É muito comum pensarmos que essas duas especialidades possuem a mesma função, mas, na verdade, essas especialidades possuem as suas diferenças.  

Alergista

O médico alergista é o responsável por diagnosticar e tratar as doenças alérgicas.  Basicamente, alergia é uma resposta do sistema imunológico, de inúmeras substâncias que entram em contato com o nosso organismo, seja elas respiratórias, epidérmicos ou por alguma ingestão.

É mais comum apresentar quadros de alergias na infância do que na vida adulta, pois, na infância, o sistema imune é mais ativo, reagindo com mais intensidade com as substâncias externas.

Alergias mais comuns

As alergias respiratórias, são uma resposta do sistema imunológico a substâncias como: ácaro, pelos, mofo, pó e fungos. Essas substancias, ao entrar em contato com uma pessoa alergia, acabando provocando problemas no trato respiratório. Seus sintomas mais frequentes são: irritação no nariz, olhos e gargantas, tosse seca, dor de cabeça e secreção nasal. Segundo a Organização Mundial de Saúde 30% da população brasileira sofre de rinite alérgica.

Alergias mais comuns e seus sintomas

  • Rinite
  • Coceira, entupimento e secreção nasal
  • Irritação nos olhos e garganta
  • Dor de cabeça
  • Bronquite
  • Tosse com catarro ou seca.
  • Falta de ar
  • Cansaço
  • Sinusite
  • Dor de cabeça e atrás dos olhos
  • Pus
  • Nariz entupido e perda de olfato
  • Asma
  • Falta de ar
  • Sensação de aperto no peito
  • Tosse e chiado no peito

Como aliviar os sintomas?

O mais indicado, é sempre procurar a ajuda de um especialista. Seja ele um Alergista ou Clínico Geral. Mas existem algumas providências que podem ser tomadas, que ajudam a aliviar os sintomas:

  • Manter a casa limpa e sem a presença de pó
  • Manter os animas fora de casa
  • Evitar carpetes e cortinas de pelo
  • Deixar a casa sempre aberta e arejada
  • Beber no mínimo 1 litro de água no dia

Imunologista

O médico imunologista é o responsável por estudar o sistema imunológico, que é quem garante a proteção do nosso corpo, evitando que substâncias ruins afetem a nossa saúde. O especialista também é responsável por realizar estudos sobre medicações e vacinas, que irão ajudar a fortalecer o sistema.

O sistema imunológico, é composto por células que realizam a defesa do corpo humano contra possíveis invasores, como no caso das bactérias, vírus, fungos e entre outros.

Principais doenças tratas pelo Imunologista

  • Diabete tipo 1;
  • Lúpus;
  • Vasculite;
  • Doença Celiaca;
  • Doença de Crohn

Dicas para fortalecer a imunidade

Como foi dito ali em cima, a melhor opção é sempre buscar a ajuda do especialista, mas deixamos algumas dicas que podem ajudar.

  • Tome banho de sol todos os dias – A vitamina D é fundamental para fortalecer as defesas do sistema imune, é recomendado tomar sol, mas com cuidado. De preferência até as 10 horas e após às 16 horas.
  • Beba água – A hidratação é fundamental para o bom funcionamento de todo o corpo, principalmente das partes que fazem a defesa do organismo. É recomendado no mínimo 1 litro de água por dia.
  • Evite alimentos industrializados – Alimentos congelados ou fast foods, são ricos em substâncias que são prejudiciais para a nossa saúde, e podem provocar infecções que vão abaixar a imunidade do nosso corpo.

Agora que você já sabe qual a função desses especialistas, saiba que temos essas especialidades aqui na Suzanclin. Entre em contato com a nossa central de agendamento e marque sua consulta.

Suzanclin
(11) 4745-3600

Teleconsulta para Bariátricos na Suzanclin

Postado por master em 07/mar/2022 - Sem Comentários

Com a chegada da Covid-19 o isolamento social foi necessário para a diminuição do contágio do vírus. Uma das alternativas que apareceram para que o paciente não deixasse de passar em consulta, foi a telemedicina. Esse método usa a tecnologia ao seu favor, tornando possível o paciente passar em consulta de qualquer local, desde que esteja conectado a uma rede de internet com o auxílio de um aparelho eletrônico, contendo as especificações adequadas.

Através dessa consulta, o especialista pode avaliar quando é necessária uma consulta presencial e quando é possível fazer o acompanhamento por consulta online. Pelo acompanhamento remoto o médico pode solicitar exames, trocar receitas e diversas outras situações que podem ser realizadas dentro do consultório.

Mas no caso de um paciente que escolhe realizar a bariátrica, será que é possível iniciar e encaminhar a cirurgia através da teleconsulta? Quais os prós e contras? Como agendar? No blog de hoje, iremos responder essas dúvidas.

Teleconsulta para bariátricos na Suzanclin

Para os pacientes que desejam realizar a cirurgia bariátrica e mudar de vida, mas não conseguem se deslocar para o consultório seja por tempo, distância ou outros fatores, a telemedicina é um excelente aliado para as consultas. Por ele, o paciente irá conseguir dar início e andamento nas consultas com o cirurgião e a equipe por vídeo chamada e realizar os exames em locais mais próximos ou acessíveis. Dependendo do protocolo da equipe e cirurgião, o paciente irá precisar passar em consulta presencial no mínimo uma vez, normalmente sendo a última consulta antes da cirurgia, onde os últimos detalhes e informações serão passadas e relembrados.

Esse método, não possui muitos pontos negativos, mas a distância impossibilita que o profissional possa analisar o paciente mais de perto. Para aqueles que realmente não possuem tempo para se deslocar ou a distância impossibilite, vale muito a pena optar por teleconsulta e iniciar a mudança. Mesmo que não substitua a consulta presencial por completo, o paciente irá receber um bom atendimento da mesma forma que receberia presencialmente.

Para você que deseja realizar sua primeira consulta por telemedicina, entre em contato conosco por nossa central de agendamento é rápido e fácil, basta discar 4745-3600 ou nos mandar uma mensagem de texto por WhatsApp, o número é o mesmo.

Ficou alguma dúvida? Entre em contato por nossas mídias sociais.

Dia Mundial do combate a LER e DORT

Postado por master em 28/fev/2022 - Sem Comentários

O dia 28 de fevereiro foi escolhido pela Organização das Nações Unidas (ONU) e Organização Internacional do Trabalho (OIT), como o dia mundial do combate as Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT). Essa data especial, chama a atenção da população para doenças e lesões que estão relacionadas com o trabalho, atingindo pessoas por todo o mundo. Mas afinal, o que são LER e DORT?

LER e Dort

Dentro do ambiente de trabalho, alguns problemas podem acontecer caso certas precauções não sejam tomadas. Esses problemas, acarretam qualquer tipo de trabalho que seja executado de uma forma inadequada ou que não respeite o limite do corpo humano, são causados pelo excesso repetitivo de determinadas atividades. As doenças mais comuns são lombalgias (dores na região lombar) e tendinites (mais comum nas mãos, dedos, cotovelo, ombro). Estão relacionadas também a questão da infraestrutura do local, que devem conter equipamentos que suportem e sejam adequados para o trabalhador.

LER e Dort são doenças antigas, notadas em populações de mais de mil anos atras, que realizavam trabalhos por um longo tempo em posições que prejudicavam a anatomia do corpo humano, executando movimentos de força e extensão prejudicando ainda mais.

Os principais sintomas caudados são: dores, fisgadas, fraqueza muscular, cansaço, sensação do corpo pesado. É claro que os sintomas podem variar de pessoa para pessoa, devido a diferença das atividades realizadas. Com o passar do tempo se não tratado da maneira correta, as dores iram se intensificam podendo incapacitar o trabalhador, dificultando até mesmo em tarefas mais comuns como as de casa, higiene e alimentação.

Prevenção

Para se prevenir desse tipo de doença, é necessário a participação do empregador e cliente em conjunto. Alinhando a união de um ambiente adequado com medidas preventivas e ferramentas de trabalho corretas, com a ajuda do trabalhador, colaborando com ações individuas que fazem total diferença como por exemplo: sentar-se corretamente, manter a postura adequada e utilizar o material correto para o trabalho.

A demora para o tratamento, pode trazer um problema muito maior do que se for tratado com rapidez. Em muitos casos o trabalhador precisará da ajuda de um fisioterapeuta, que irá realizar várias sessões para que a cura seja alcançada. Na pior das ocasiões, o paciente irá necessitar de intervenção cirúrgica.

Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco pelas redes sociais, até logo.

Caminhos para emagrecer além da bariátrica

Postado por master em 21/fev/2022 - Sem Comentários

A busca pelo corpo bonito e saudável, é o sonho de consumo de boa parte da população mundial. O emagrecimento está ligado a diversos fatores de nossas vidas, que acabam influenciando no ganho de peso. Segundo um estudo da Nestlé, 60% da população brasileira não está feliz com o seu corpo e deseja emagrecer alguns quilinhos, seja por estética ou por saúde.

Que a Suzanclin é referência em cirurgia bariátrica eu e você já sabemos, mas você sabia que nós oferecemos outros caminhos para quem busca emagrecer? No nosso post blog de hoje, iremos te mostrar outros caminhos para eliminar o excesso de peso.

Existem alguns fatores que auxiliam no ganho de peso, seja por problemas hormonais, falta de atividades físicas, má alimentação, problema psicológico e entre outros. O emagrecimento, significa a redução da quantidade da gordura corporal, para se chegar nele, é necessário que haja um déficit de energia, a quantidade de calorias que ingerimos deve ser menor que a quantidade de energia gasta no dia. Sendo assim, o corpo humano irá buscar o restante de energia necessário para funcionar utilizando a degradação da gordura, gerando o emagrecimento.

Mas afinal, com qual profissional devemos buscar ajuda? Para alguns, é difícil escolher o especialista adequado para auxiliar no ganho ou na perda de peso, existem diferentes métodos e técnicas que irão ajudar você a chegar no peso ideal, confira quais na nossa lista abaixo.

  • Nutrólogo

O nutrólogo, é o médico especializando em nutrologia. Essa especialidade, é o ramo da medicina, especializada na nutrição em todos os seus aspectos. Tem como função diagnosticar a prevenção e o tratamento das enfermidades nutroneurometabólicas.

O médico nutrólogo, pode solicitar exames e prescrever medicamentos para realizar o diagnóstico, para a prevenção e o tratamento de doenças relacionadas ao excesso ou falta dos nutrientes. Podendo realizar tratamentos de hipertensão, diabete e obesidade.

Funções do nutrólogo:
Diagnosticar e tratar doenças causadas pelo excesso ou falta de nutrientes. Realizar a educação nutricional do paciente, mostrando a importância e os malefícios de algumas substancias.

  • Endocrinologista

O médico endocrinologista, é responsável por avaliar e tratar todo o sistema endócrino e metabólico. Esse sistema, é responsável pela produção de hormônios que são importantes para diversas funções do organismo. O especialista irá diagnosticar os distúrbios hormonais no organismo do paciente, que podem estar gerando o excesso de peso ou a obesidade.

Quando necessário, o especialista pode complementar o tratamento encaminhando o paciente para o nutricionista, para auxiliar no tratamento do paciente.

Falamos um pouco mais sobre o Endocrinologista no nosso blog, confira aqui.

  • Nutricionista

O Nutricionista, é o especialista formado em nutrição. Capacitado para atuar em diversas áreas da saúde, seja clinico, esportivo e entre outros.

O profissional, estuda os alimentos e seus efeitos no organismo, elaborando planos alimentares a partir do diagnóstico nutricional. Ao contrário do nutrólogo e endócrino, o profissional de nutrição não pode solicitar exames e medicamentos.

Principais funções:

Prescrever dietas e orientar os pacientes e suas necessidades nutricionais.

Preparar cardápios.

Controlar o preparo, higiene, e qualidade de produtos e alimentos

Auxiliar na alimentação de acordo com a preferência e metabolismo do paciente

  • Preparador físico

O preparador físico, é o profissional da área esportiva, formado em Educação Física. O especialista irá avaliar e desenvolver treinamentos, visando melhorar o desempenho e preparo físico dos pacientes.

Com ou sem a ajuda do preparador físico, o ideal é que o paciente procure um desses especialistas, junto com a prática de exercícios físicos. Para aumentar o déficit calórico, a prática de exercícios é imprescindível.

Mas vale ressaltar, que para obter os melhores resultados, devemos sempre contar com profissionais sérios e bem capacitados.

Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco pelas nossas mídias sociais, até mais! 

Especialidades Suzanclin: Endocrinologista

Postado por master em 14/fev/2022 - Sem Comentários

Como de costume, toda segunda-feira tem um texto novo aqui no nosso blog. Seja sobre bariátrica e tudo que a envolve, ou outros assuntos relacionados a medicina. Hoje iremos iniciar uma série de textos, em que falaremos das especialidades médicas que temos aqui na Suzanclin. Para iniciar, iremos começar com a especialidade endocrinologia.

O médico endocrinologista, é responsável por avaliar e tratar todo o sistema endócrino. Esse sistema, é responsável pela produção de hormônios que são importantes para diversas funções do organismo. O sistema endócrino junto com o nervoso, regulam e controlam todas as funções do corpo humano, atuando na reprodução e no metabolismo dos carboidratos, no crescimento dos tecidos e entre outros fatores. O sistema, é formado por uma série de glândulas, que são chamadas de glândulas endócrinas. Essas glândulas, liberam hormônios que são excretados direto para a corrente sanguínea. Os órgãos que formam o sistema endócrino, possuem diferentes funções, que nem sempre estão relacionados, por ser um sistema bem extenso. Mas afinal, quando devemos procurar esse especialista?

É ideal procurar o médico endocrinologista, quando aparecer alguns sintomas que podem apontar distúrbios hormonais, ou quando for solicitado por outro especialista.

 Alguns distúrbios hormonais:

  • Crescimento na tireoide
  • Dificuldades com ganho ou perda de peso
  • Colesterol alterado
  • Sintomas de menopausa ou andropausa
  • Glicemia desregulada
  • Puberdade precoce ou retardada
  • Exames que mostrem alteração hormonal
  • Sede e cansaço em excesso

Doenças que podem ser causadas por alterações hormonais:

Obesidade: Devido aos inúmeros problemas que a obesidade pode causar à saúde das pessoas, nos últimos anos foi em fim, reconhecida como uma doença. Essa doença possui varias causas, mas apenas uma parte pequena significa problemas por deficiência hormonal. Normalmente é acompanhada por outras doenças da parte endócrina, como: problemas de colesterol ou diabete.

Diabete: A diabete é uma doença metabólica crônica. Devido ao aumento dos níveis de açúcar no sangue, isso acontece devido à falta ou o mau funcionamento do hormônio insulina, que é responsável por levar a glicose da corrente sanguínea para o interior das células. Se o hormônio não funciona corretamente, o açúcar se acumula em excesso no sangue ao invés de ser gasto nas células do corpo.

 A principal causa da diabete é a má alimentação, principalmente devido à ingestão em excesso de açúcar e a falta de exercícios físicos.

Doenças na tireoide: As mais famosas são hipotireoidismo e hipertireoidismo. A hipotireoidismo é a condição na qual a glândula tireoide não produz a quantidade suficiente de hormônio da tireoide, enquanto a hipertireoidismo é a produção em excesso do hormônio.

Papel do Endócrino na Bariátrica

No pré-operatório, o especialista irá fazer a análise da parte clínica do paciente, avaliando e verificando se o mesmo se encontra apto ou não para realizar a cirurgia.

Ele irá atuar diretamente no controle do colesterol, problemas na tireoide, diabete e entre outros distúrbios endócrinos.

Através de alguns exames pedidos pelo endocrinologista, como; insulina, hemograma e vitamina e entre outros exames. O especialista irar analisar e auxiliar o paciente a realizar a cirurgia, sem que nenhuma comorbidade possa oferecer algum risco a cirurgia e a sua saúde.

Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco pelas nossas mídias sociais, até mais!

27 anos de Suzanclin

Postado por master em 07/fev/2022 - Sem Comentários

Na terça-feira dia 01/02/2021, a Suzanclin completou 27 anos de existência. Para comemorar essa orgulhosa trajetória, iremos compartilhar com vocês um resumo dessa jornada.

Fundadores

A Suzanclin tem como os seus sócios fundadores, os médicos, Dra. Isabel Yoko Takasaka e Dr. Jaime Ribeiro de Carvalho Teles. Eles se conheceram e fizeram todo o curso de medicina na mesma classe. Logo após se formarem, a parceria se manteve na residência médica, cursada por ambos no Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. A especialização escolhida foi a de Cirurgião do Aparelho Digestivo. Em 1992, começavam a realizar atendimentos no Hospital São Sebastião, mas logo notaram a necessidade de um consultório próprio para atender seus pacientes. E dessa ideia, nascia a empresa Suzanclin.

Trajetória

No seu primeiro ano de nascimento, a clínica tinha somente dois funcionários, os sócios criadores. Era localizada na rua Tiradentes, onde alugavam uma sala do Dr Jorge Yoshimoto, primo da Dra. Isabel. A sala também era dividida com o Dr Roney Augusto da Conceição, após um período ficou nítido que o espaço e o tempo daquela sala eram muito apertados, precisavam de uma nova opção. Em agosto de 1996, passaram então a atender na rua Felício de Carvalho, até uma excelente oportunidade de atender na rua Armando Salles, mantendo a parceria com Roney. A Suzanclin chegava ao seu primeiro endereço comercial, contando com 19 colaboradores 7 profissionais em seu corpo clinico.

Em 2002 Dr. Jaime e Dra. Isabel, se interessavam por cirurgia bariátrica e já no ano seguinte após cursos e especializações, começavam a realizar suas primeiras cirurgias. Visando um melhor atendimento para seus pacientes, era criada a Obesoclin. Com o intuito de ser a parte da clínica focada somente para a cirurgia de redução de estomago, a Obesoclin deixou de existir para virar o que é hoje a Vivaligth.

Em fevereiro de 2007 na Rua Baruel, a Vivaligth começou a funcionar, ao lado de nossa atual unidade matriz. Podendo assim oferecer o melhor tratamento aos seus pacientes, com mais espaço e conforto. Com os atendimentos e a nova unidade indo bem, a clínica deu mais um passo para o seu crescimento. Em agosto de 2010, a Vivaligth foi de Suzano foi para Mogi das Cruzes, pensando em se expandir para a região e pelo local não comportar mais os pacientes.

Em agosto de 2012 a Suzanclin então se mudava para o que é hoje sua maior unidade, na rua Baruel nº650, possuindo 26 funcionários e 19 profissionais. A unidade Vivaligth Mogi, durou até março de 2013, sendo unificada com a unidade de Suzano.

Em 2015 iniciávamos nossa primeira caminhada Vivaligth, com intenção de promover a prática de atividades físicas para os pacientes de obesidade. Uma vez ao ano essas caminhadas são realizadas em Suzano ou São Paulo. Em março de 2007 outra expansão precisou ser feita. A demanda e a necessidade fizeram com que uma nova unidade fosse aberta, em Suzano, na rua Nair Ferreira Martins.

No ano seguinte, voltávamos para Mogi das Cruzes, já então como Suzanclin Vivaligth. A unidade se manteve por alguns anos nesse endereço até que em 2020 mudamos para o que é hoje nosso atual endereço, na rua Francisco Franco nº 346. A clínica conta com mais espaço, conforto e um local de fácil acesso.

Em fevereiro 2019 nascia nossa loja, física e virtual a Suzanclin Store. Para facilitar ainda mais a vida dos nossos pacientes bariátricos, que após o procedimento passa a precisar de suplementação e entre outros acessórios do dia a dia.  No meio desse mesmo ano, era inaugurado a nossa unidade de pediatria a Suzanclin Baby, localizada na rua Presidente Nereu Ramos nº 77.

E a Suzanclin continua pensando em evoluir e alcançar grandes objetivos, através dos anos que estão por vir. Agradecemos a todos os nossos pacientes pelo carinho e por toda a confiança que depositam em nós, estaremos sempre aqui para ajudar da melhor forma.

Aos nossos colaboradores e corpo clínico, agradecemos pelo esforço e empenho de cada um de vocês. Contamos com vocês para cada vez mais evoluirmos e melhorarmos para atender com ainda mais excelência.

Obesidade na pandemia

Postado por master em 31/jan/2022 - Sem Comentários

A obesidade é uma doença crônica e com ela outras doenças acabam se manifestando, como no caso da hipertensão, diabete, complicações cardiovasculares, problemas ortopédicos entre outros. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de um bilhão de pessoas adultas em todo o mundo sofrem de obesidade, no Brasil cerca de 20% da população é obesa, já as pessoas com excesso de peso totalizam 60%, sendo mais da metade.

Com o Covid-19 esse problema ficou ainda mais sério, segundo dados do Instituto IPSOS o Brasil foi o país que mais cresceu no índice da obesidade durante a pandemia, 52% dos brasileiros tiveram aumento no peso, sendo a população que mais ganhou peso nesse período. O isolamento social contribuiu com o aumento dos números, prejudicando a prática de exercícios físicos. Por mais de um ano as academias e parques ficaram fechados, deixando poucas opções para a prática, muitas pessoas deixaram de se movimentar até mesmo para ir ao trabalho ou escolas, devido ao home office.

O estresse que o confinamento gerou, causou problemas psicológicos nas pessoas, gerando um clima de incerteza sobre quando tudo isso iria acabar ou melhorar. Seja pela ansiedade ou outros fatores, a população acabou se descuidando na alimentação, optando por alimentos ricos em carboidratos e gordurosos.

Segundo outra pesquisa da Ipsos, o Brasil é o país que menos realiza atividades físicas, a pesquisa contou com 29 países, isso mostra o quanto pratica é fraca em territórios brasileiros. Em média, o brasileiro se exercita 3 horas por semana, 31% dos entrevistados disseram que não dedica nenhum tempo para a prática, sendo o segundo pais com menos pessoas que não investem nenhum tempo, perdendo apenas para os japoneses que somam 34%.

O Brasil vive um alerta devido aos novos casos de Covid-19, com as festas de fim de ano houve um aumento significativo no número de pessoas positivadas. Somando isso com a chegada de novas variantes como a Omicron, o país vive um novo sinal de alerta que novamente pode levar as restrições.

Como se manter saudável na pandemia?

Uma alimentação saudável e balanceada em conjunto com a prática de exercícios físicos, são nossas melhores opções. Os exercícios além de prevenir o ganho de peso, irá nos afastar de possíveis doenças que aumentam o fator de risco da Covid-19. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a recomendação para pessoas saudáveis é de no mínimo 150 minutos de atividade física por semana para adultos e 300 minutos de atividade para crianças e adolescentes.

Na ausência de aparelhos e acessórios para a atividade, recomendamos a pratica em um local em que o individuo consiga utilizar o peso corporal e adapte o espaço dentro de casa. Existem diversos métodos e exercícios para quem tem o espaço limitado, como, por exemplo: flexão, abdominais, agachamentos, pranchas com elevações e entre outros. Existem aplicativos de exercícios nas lojas virtuais para te auxiliar a como se exercitar dentro de casa. Fica a nossa dica do: queima de corpo inteiro, exercícios em casa e do desafio 30 dias fitness.

Já na questão alimentar, opte por uma dieta mais balanceada, fuja de alimentos ricos em gordura, açúcar, carboidratos em excesso, fast food, industrializados e entre outros.

 Opte por alimentos que vão te ajudar a se manter mais forte contra o vírus e todos os outros malefícios, como, por exemplo, as frutas, legumes, verduras, naturais, etc.

Vale lembrar que a pandemia ainda está longe de acabar, então siga as instruções dos órgãos de saúde, se previna, vacine-se e não aglomere.

Cirurgia reparadora pós cirurgia bariátrica

Postado por master em 24/jan/2022 - Sem Comentários

Ao realizar a cirurgia bariátrica, o paciente acaba perdendo muito peso em um curto período de tempo, resolvendo assim os problemas que o excesso e as comorbidades trazem, mas nem tudo é positivo nessa história. Devido a essa rápida perda, o excesso de pele e a flacidez podem acabar aparecendo e se destacando no corpo do bariátrico.

A cirurgia reparadora é o maior aliado contra esse problema, chamada de dermolipectomia, a cirurgia de retirada do excesso de pele é indicada e realizada por cirurgiões plásticos. Existem diversos tipos desse procedimento, podendo ser realizadas combinadas ou isoladas.

Quando o paciente pós bariátrico deve realizar as reparadoras?

Esses procedimentos, irão retirar o excesso de pele e recuperar o contorno corporal do corpo, sendo considerada a fase final do tratamento da perda de peso. Para isso o paciente deve estar com o peso estabilizado, para que a cirurgia possa ser realizada com uma maior segurança, com um risco menor de complicações e melhores resultados. O período é de 1 ano a 2 anos, pós a cirurgia bariátrica.  

A reparadora, diferente de uma cirurgia plástica estética, tem o objetivo de corrigir as deformidades de nascença ou que foram adquiridas pelo paciente com o tempo, seja elas por excesso de peso, acidentes, traumas e outras. São consideradas necessárias como qualquer outra intervenção cirúrgica, procuram recuperar as funções do corpo e restabelecer a forma mais natural possível, o procedimento não é realizado como uma questão de vaidade e sim para restaurar a normalidade do corpo do paciente.

Qual cirurgia plástica o convênio deve cobrir?

Por regra, a legislação dita que os convênios não tem a obrigação de cobrir cirurgia plástica com a finalidade estética. Mas quando sua finalidade é de reparar o corpo do paciente o convenio deve cobri-las, como no caso das: cirurgia reparadora pós bariátrica, mamoplastia redutora e cirurgia de reconstrução de mamas de pacientes com câncer. Mas antes, o paciente deve verificar se o cirurgião plástico aceita ou não convênios para cirurgia.

Tipos de cirurgia reparadora pós bariátrica

Abdominoplastia

Essa cirurgia visa retirar o excesso de pele do abdômen, reduzindo o volume abdominal. Após a rápida perda de peso a pele do local fica flácida, formando a famosa barriga de avental. Ela é realizada em um método em que a pele é puxada e removendo a parte em excesso.

  • Lifting de braços e coxas

Nela, é removido o excesso de pele e gordura dos braços e coxas, esse excesso impossibilita o movimento natural dos membros, atrapalhando em atividades físicas e do dia a dia. A pele é esticada e remodelada para a posição natural do corpo.

  • Mamoplastia

Nesse procedimento, as mamas são reposicionadas em seu lugar natural, deixando o órgão com aspecto mais firme, ela pode ser feita sozinha ou com a colocação de silicone, assim aumentando o tamanho dos seios.

Recuperação pós reparadora

Na reparadora o paciente fica internado por volta de 1 dia, necessitando de repouso em casa por um período de 15 dias a 1 mês. O tempo dos procedimentos, duram em torno de 1 a 5 horas, nela é usada anestesia geral ou local, variando de acordo com o procedimento e técnica. Durante a recuperação, o paciente deve evitar esforços físicos, é medicado com analgésicos e deve retornar com o cirurgião plástico conforme o protocolo do mesmo.

Vale ressaltar, que apenas o cirurgião bariátrico pode liberar o paciente para realizar as cirurgias reparadoras, então mantenha seus retornos em dia, com toda a equipe multidisciplinar, para que não ocorra nenhum risco. 

Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco por nossas mídias sociais.

Procedimentos estéticos para pacientes bariátricos

Postado por master em 17/jan/2022 - Sem Comentários

A cirurgia bariátrica é realizada em pacientes que apresentam quadros de obesidade mórbida ou em conjunto com outras comorbidades. Visando uma melhor qualidade de vida e eliminação do excesso de peso, a cirurgia é capaz de controlar o colesterol, os desconfortos físicos, a pressão arterial e entre outros problemas de saúde. Com isso a perda de peso do paciente pós cirúrgico acaba acontecendo muito rápido, assim o excesso de pele e a flacidez acabam se destacando, principalmente no abdômen, nas pernas e braços. Além das cirurgias plásticas, qual outro método para combater a flacidez e o excesso de pele?

Os tratamentos estéticos são grandes aliados para os pacientes bariátricos, existem alguns tratamentos que podem dar uma força na recuperação da pele pós cirurgia. Os procedimentos com estimuladores de colágeno são os mais indicados para essas situações, já que ele auxilia na manutenção da saúde da pele, veja algumas opções:

  • Radiofrequência – O procedimento emite correntes de onda eletromagnéticas, sendo assim o seu calor alcança as camadas mais profundas da pele, promovendo a produção do colágeno. Assim o procedimento previne e trata a flacidez da pele, deixando mais bonita e vigorosa. Os resultados podem aparecer já nos primeiros dias após a primeira sessão, mas o tratamento deve ser progressivo, sendo feito em várias sessões.
  • Massagem Modeladora e Drenagem Linfática – Essas duas massagens visam eliminar toxinas, a diminuição das inflamações e melhora da circulação sanguínea. Além disso, essas duas massagens aliviam a tensão e combatem a flacidez da pele.
  • Corrente Russa – Essa técnica funciona por meio de um aparelho de eletroestimulação, promovendo contrações nos músculos, gerando um ganho de força e o aumento do volume muscular, melhora da circulação sanguínea e diminuição da flacidez.
  • Ultrassom Microfocado – Essa técnica aquece as camadas mais profundas da pele por disparos de ondas ultrassônicas, estimulando a formação de elastina e colágeno, dessa forma reduz a flacidez da pele. Por ser um ultrassom, a técnica possibilita o profissional visualizar o ponto exato dos tecidos que devem ser tratados, proporcionando melhores resultados. Vale lembrar que antes de optar por qualquer procedimento seja ele estético ou cirúrgico, você deve conversar com o seu cirurgião e um dermatologista, eles irão indicar o melhor tratamento para o seu caso.


Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco pelas nossas mídias sociais.

Entenda a importância da Vacina da Gripe

Postado por master em 10/jan/2022 - Sem Comentários

No final do último trimestre de 2021, um velho conhecido da humanidade voltou a dar as caras no Brasil. O vírus influenza tem gerado surtos por todo o país, devido a uma nova variante, a H3N2. Atualmente, três tipos do vírus são conhecidos, sendo eles: A, B e C. Mesmo tendo diferenças genéticas todas elas podem provocar sintomas de febre, dores de cabeça e no corpo, garganta inflamada, tosse entre outros.


A H3N2 é uma variante da influenza A, que é uma das principais responsáveis pelas gripes e resfriados do mundo, sendo facilmente transmitida por gotículas liberadas no ar, seja por espirro ou tosse. Seus principais sintomas são: febre alta, inflamação na garganta, vômito, dores nas articulações, diarreia, mal-estar, perda de apetite e irritação nos olhos.
Como a Covid-19, a influenza é um vírus respiratório, dessa forma a prevenção é a mesma, o uso de máscaras, distanciamento físico e a higiene das mãos. O período de transmissão em adultos é de até sete dias e em crianças até 14 dias.


A vacinação tem como o objetivo reduzir a circulação do vírus, com isso o número de pessoas que serão hospitalizadas com risco de morte diminui. Se vacinar e não ficar gripado, evita que exista uma super lotação dentro dos sistemas de saúde, liberando espaço para os pacientes da pandemia do Covid-19. Ao se vacinar, os riscos de ser contaminado pela influenza são muito menores, por que a vacina ensina o organismo a como reconhecer o vírus, montando um mecanismo de defesa potente contra ele.


Quem pode se vacinar contra a gripe?

Todos aqueles que tiverem mais de 6 meses devem tomar a vacina, lembrando que a campanha acontece anualmente e para tornar a vacinação mais organizada o ministério da saúde estabelece uma prioridade para a vacinação. São eles:

  • Crianças de 6 meses até 6 anos;
  • Gestantes e puérperas;
  • Idosos com mais de 60 anos;
  • Trabalhadores da área da saúde;
  • Pessoas com deficiências.

Vacina da Gripe x Vacina da COVID-19

A dúvida de muitas pessoas é se tem algum problema ou contra indicação se vacinar contra a gripe e contra a Covid-19, a resposta é NÃO. Todos aqueles que estão sendo vacinados ou já foram contra a covid podem e devem tomar a vacina contra a influenza, basta apenas esperar o intervalo de 14 dias entre as vacinas, respeitando essa indicação não irá ocorrer interferências de uma para a outra. Para se vacinar, procure uma Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua casa, basta apenas apresentar um documento com foto. Lembre-se de seguir as normas de segurança, use máscara e higienize as mãos sempre que puderem.


Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco pelas nossas mídias sociais.

Balanço Geral 2021

Postado por master em 31/dez/2021 - Sem Comentários

O ano de 2021 já está no fim e com isso trouxemos para nossos pacientes algumas dicas para colocar em prática a partir do ano que vem buscando uma vida com mais qualidade. Desde 2020 estamos combatendo o covid-19 e ele deixou muito claro para todos como a saúde é importante, agora é hora de aproveitar o fim de ano para refletir sobre sua vida e como ela está sendo levada. O fim do ano é também o melhor momento para planejar o novo ano que vem e as prioridades que deseja levar para o mesmo.

Não seja mais um daqueles que só vai à consulta médica quando está se sentindo mal! Se organize com a gente para viver um 2022 mais, saudável.

Seja você um paciente bariátrico ou não, o que vai te ajudar a cuidar da sua saúde é manter os acompanhamentos médicos em dia. Os famosos check-ups servem para avaliar sua saúde de forma completa, auxiliando na evolução do seu histórico clínico.

É recomendado fazer no mínimo um exame geral completo anualmente, mas para quem realizou a cirurgia bariátrica, é portador de alguma doença, ou possui histórico familiar patológico, esse tempo deve ser reduzido. É importante manter uma frequência com a equipe especializada, que irá contribuir para um diagnóstico detalhado sobre o funcionamento do seu corpo.

Deixamos aqui algumas dicas para se organizar nas suas consultas durante o ano e para uma rotina mais saudável.

Dicas para manter suas consultas em dia:

  • Agende suas consultas com antecedência para que não aconteça de não ter mais vaga, lembre-se de sempre anotar em mais de um lugar as datas dos retornos para não se perder.
  • Antes das suas consultas, faça uma lista dos sintomas e dúvidas que tiver, para não se esquecer dentro do consultório.
  • Tenha anotado o histórico da sua saúde durante os meses e anos, os medicamentos que utiliza e os procedimentos cirúrgicos que já realizou
  • Lembre se de sempre guardar seus exames e de mantê-los atualizados.

Dicas para uma rotina mais saudável:

  1. Pratique exercícios

Tenha uma rotina de exercícios frequentes, essa prática traz diversos benefícios para o corpo. A qualidade de vida de quem pratica exercícios aumenta consideravelmente, seja qual for a idade e exercício praticado. Os exercícios físicos irão te ajudar a evitar a hipertensão, a redução do colesterol ruim (LDL), prevenir a diabete, redução de doenças como ansiedade e depressão.

  • Mantenha-se no seu peso ideal!

Estar dentro do IMC adequado, vai muito além das questões estéticas. O excesso de peso aumenta os riscos de doenças como: hipertensão, colesterol, diabete, depressão, problemas respiratórios e entre outros.

  • Descanse com qualidade!

Ter uma boa noite de sono está diretamente ligado no funcionamento do corpo e da mente. Descansar adequadamente irá garantir que suas energias estejam renovadas para o dia seguinte, sem uma noite de sono adequada o estresse excessivo pode ocasionar doenças psicológicas. Entre os principais sinais do estresse, deve-se atentar nas alterações de humor, perda de apetite, problemas de atenção e ansiedade. Então busque relaxar, ter momentos de paz e tranquilidade, desconectar da loucura do dia a dia de vez em quando é o mais adequado.

Com essas dicas para manter sua saúde em dia, você vai perceber que manter uma qualidade de vida mais saudável é apenas uma questão de atitude. Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco por nossos meios de comunicação e não deixe de nos acompanhar no Facebook, Instagram e Youtube. Boas festas.

Como evitar os entalos?

Postado por master em 13/dez/2021 - Sem Comentários

Um dos principais aspectos da cirurgia bariátrica é a diminuição do tamanho do estômago. E essa diminuição do estômago implica em diversas alterações na vida do paciente, uma delas é que a capacidade de armazenar alimentos será reduzida. Além disso, o intestino pode ser modificado a fim de reduzir a absorção de nutrientes do paciente.

Com essa redução da capacidade do estômago, caso o paciente não faça toda reeducação corretamente, surge a possibilidade da ocorrência de entalos, e eles são o tema do nosso Blog de hoje.

O entalo é uma situação bem desconfortável, que ocorre na maioria das vezes devido à alimentação inadequada do paciente e pode trazer dores no peito, estômago ou garganta.

Para vocês entenderem, vamos imaginar uma estação de metrô. Em uma situação normal, do dia a dia, o trem chega, todos os passageiros entram e ele deixa a estação. Porém caso o trem mude e passe a comportar 1% do que o trem anterior comportava, os passageiros acabarão enfrentando uma fila, pois a capacidade do trem é menor. No corpo do paciente funcionaria mais ou menos assim, sendo que o trem representa o estômago dele (que reduziu a capacidade) e as pessoas representam os alimentos. Caso ele continue comendo a mesma quantidade de alimento, ou pelo menos na mesma velocidade, ele provocará essa “fila”, fazendo com que o alimento entale (mesmo sendo pequeno). O entalo pode ocorrer também quando o paciente não corta/mastiga direito o alimento, porém esse segundo “tipo de entalo” afeta a população inteira, não é exclusivo de pacientes que realizam a bariátrica.

O que fazer caso o entalo aconteça?

Caso o entalo ocorra, pare de se alimentar imediatamente. Não insista com outra porção de alimento tentando desbloquear o caminho. Levante-se e procure respirar profundamente. Você pode dar uma caminhada para ajudar no desentalar o alimento.

O aumento da salivação durante o entalo é uma situação comum, visto que é uma maneira do organismo tentar se livrar do alimento situado em um local inadequado. Portanto, não se preocupe, apesar de não ser uma situação muito agradável.

Adicionalmente, você pode ingerir alguma bebida gasosa, como um refrigerante ou uma água com gás. Deste modo, o gás estimula a eructação (o famoso arroto), a qual pode ajudar na retirada do alimento preso.

Portanto, siga com atenção todas as recomendações médicas após a cirurgia bariátrica e evite desconfortos durante a alimentação.

  • Uma das regras mais importantes é que o paciente deve ingerir porções reduzidas de comida. Tente utilizar uma colher menor para que os alimentos cheguem à boca em baixa quantidade;
  • Comer devagar, mastigando bem os alimentos;
  • Evite ingerir alimentos muito sólidos, e caso o faça, tente acompanhá-los com algum molho ou algo que os deixe mais fácil de ser quebrado;
  • Se alimentar usando a ponta do garfo (ou talheres de bebê/sobremesa);
  • Prestar atenção enquanto come. Nosso cérebro não está “acostumado” com o novo estômago e as condições pós-cirúrgicas, portanto, tenha cuidado durante toda o processo de alimentação durante as refeições para manter a mastigação e a deglutição adequadas. Comer na frente da TV ou vendo algum vídeo pode prejudicar o paciente.

Após as dicas acima, fica mais claro perceber que o grande causador dos entalos no paciente são os antigos hábitos do mesmo. O paciente muitas vezes estava acostumado a comer mesmo quando não está com fome, por exemplo quando você está em casa e quando se da conta está abrindo a geladeira pela 3ª, 4ª vez, comer rápido e até exageradamente. Quando ele decide realizar a cirurgia já deve ter em mente que terá que criar novos hábitos mais saudáveis.

Portanto se você operou e está tendo entalos, procure comer mais devagar, mastigue melhor, coma porções menores e acima de tudo, procure identificar os momentos que está comendo devido à fome ou ao hábito de comer bastante.

5 Verdades sobre Cirurgia Bariátrica

Postado por master em 06/dez/2021 - Sem Comentários

Como no post anterior trouxemos para vocês 5 mitos sobre a cirurgia bariátrica, hoje vamos falar sobre 5 verdades que também são bastante questionadas pelos nossos pacientes.

  • Meu cabelo poderá cair depois que realizar a cirurgia?
    Sim, é verdade, o cabelo e unhas dos pacientes podem cair, por mais que não seja uma regra. Essa queda de cabelos normalmente se dá a partir do 3 mês devido aos seguintes fatores: estresse cirúrgico, dieta restritiva logo após a cirurgia, alteração no sistema digestivo do paciente, consequentemente, alteração na absorção de vitaminas pelo paciente. Lembrando que o paciente recebe todas as orientações necessárias e a receita com as vitaminas para que, caso o paciente tenha queda de cabelos, ela seja mínima e pelo mínimo de tempo possível. A queda de cabelos começa nos 3 meses após a cirurgia e aos 6 meses já começa a diminuir significativamente. Lembrando que isso NÃO é regra, por mais que seja comum, não são todos pacientes que perdem cabelo.
  • É verdade que o paciente de cirurgia bariátrica deve tomar vitaminas para o resto de sua vida?
    Sim, é verdade. Quando o paciente realiza a cirurgia bariátrica, seu sistema digestivo é modificado, modificando também a absorção de alguns nutrientes. Como essa absorção é modificada, o paciente deverá tomar determinadas vitaminas em maior quantidade para suprir sua necessidade biológica. Importante lembrar que é muito melhor para o paciente passar anos tomando vitaminas e suplementos do que não optar pela cirurgia e continuar tomando remédios para pressão alta ou diabetes, por exemplo.
  • É verdade que a maior parte do peso o paciente perde nos primeiros dias de cirurgia?
    Sim, é Verdade! Nos primeiros 2 anos o paciente perderá em média de 30 a 50% do peso que tinha quando operou. 10% nos primeiros 30 dias, 20% nos primeiros 90 dias, 30% nos primeiros 180 dias e 40% nos primeiros 365 dias. Portanto, 10% no primeiro mês, mais 10% até o 3º mês, mais 10% até o 6º mês e mais 10% até completar o primeiro ano.
  • É necessário fazer uma avaliação médica detalhada antes de realizar a cirurgia?
    O paciente que pretende realizar a cirurgia bariátrica precisa passar pela avaliação de vários profissionais, que irão verificar se o procedimento é seguro para o paciente e se o mesmo está pronto para realizá-lo. Entre os profissionais que liberam o paciente para a cirurgia estão: o cirurgião, endocrinologista, cardiologista, nutricionista, psicólogo, fonoaudióloga, fisioterapeuta, pneumologista, entre outros.
  • O paciente terá recidiva da obesidade caso descuide da dieta e atividades físicas?
    Sim, também é verdade. A cirurgia é uma ferramenta que auxilia o paciente a perder peso, não é a garantia de que vai perder e não reganhar. Para o paciente se manter saudável a longo prazo é essencial que ele tenha uma dieta balanceada e também pratique alguma atividade física.

5 Mitos sobre Cirurgia Bariátrica

Postado por master em 29/nov/2021 - Sem Comentários

Já faz pouco mais de 1 ano que iniciamos as postagens no nosso blog, sempre falado sobre a cirurgia bariátrica e trazendo diversos assuntos interessantes. Hoje traremos aqui 5 mitos existentes sobre a cirurgia bariátrica e suas explicações.

Antes de começar, é bom lembrarmos que o Brasil é o segundo país que mais realiza cirurgias bariátricas no mundo (atrás apenas dos EUA) e também que o número de cirurgias metabólicas vem evoluindo nos últimos anos, fazendo com que cada vez mais seja mais importante orientar a população sobre esses procedimentos, explicando suas vantagens, aplicabilidades e riscos.

Ao escrever esse blog, consultamos os cirurgiões da Suzanclin e trouxemos 5 mitos sobre a cirurgia que a maioria dos pacientes costuma questionar preocupado, e elas serão mostradas a seguir:

  • A probabilidade do paciente ter complicações na cirurgia é maior que a de ter complicações devido à obesidade?
    Antes de começar a explicar, informamos que, por mais seguro que seja, qualquer tratamento médico tem eventos adversos. O risco de um procedimento nunca será zero. Porém, com o avanço tecnológico e das técnicas utilizadas em procedimentos, as chances de complicações reduziram muito. Estudos demonstraram que o risco da cirurgia bariátrica/metabólica é quase o mesmo de uma cirurgia rotineira da vesícula biliar. Além do risco da cirurgia ser baixo (0,2%), as complicações pós cirúrgicas também são incomuns devido ao acompanhamento pré-cirúrgico detalhado que é feito.
    Como o paciente normalmente é obeso mórbido, é importante saber que naturalmente ele possui comorbidades que afetam sua saúde (inflamação corporal, hipertensão, dificuldade em necessidades básicas como a respiração, etc). E já existem estudos confirmando que, após 20 anos, pacientes que não realizam a cirurgia mantém o peso alto, enquanto os que realizaram o procedimento diminuíram muito essa condição. Portanto, no longo prazo, o risco de permanecer obeso é bem maior do que o risco de realizar a cirurgia.
  • É recomendado realizar a cirurgia bariátrica quantas vezes eu quiser?
    Essa afirmação também é um mito, porém existem exceções que podem torna-lo verdade. Existem alguns casos raros em que o paciente não se adapta com o método cirúrgico realizado e realiza a conversão, por exemplo transformar um sleeve em um bypass. Porém via de regra não é permitido realizar a cirurgia bariátrica mais de 1 vez. Caso o paciente tenha realizado a cirurgia e recidivado a obesidade por não se alimentar e exercitar direito, ele deverá ir atrás da equipe multidisciplinar para realizar uma reeducação. Uma segunda cirurgia só será permitida quando o médico encontrar algum problema técnico no método (seja para converter em outro método ou realizar algum ajuste no procedimento). Muitos pacientes vêm atrás de outro procedimento por auto sabotamento, nesses casos não é realizado.
  • É verdade que após a cirurgia não poderei mais beber bebidas alcoólicas?
    Também é um mito. O paciente poderá beber bebidas alcoólicas normalmente, embora possivelmente ele irá beber menos por dois motivos. A velocidade maior do sistema e a mudança de alguns locais de absorção. A cirurgia bariátrica irá alterar o sistema digestivo do paciente, fazendo com que o alimento passe mais rápido pelo estômago e intestino, isso também vale para o álcool, fazendo com que o paciente fique alterado mais rapidamente. Além disso, devido a essa alteração no sistema, a bebida chegará menos metabolizada no intestino para ser absorvida, portanto ela estará mais concentrada do que o habitual. Esses dois fatores unidos promovem uma absorção mais rápida de uma bebida mais concentrada, promovendo uma mudança na velocidade com que o paciente ficará embriagado. Saiba mais sobre esse assunto clicando aqui.
  • Não poderei mais ter filhos após a cirurgia bariátrica
    Mito. Após a cirurgia o paciente poderá sim engravidar, porém enviamos a ele uma orientação informando que será mais seguro engravidar após 1 ano e meio de operado. A restrição não tem tanto a ver com o procedimento e sua cicatrização em si, mas sim com a alteração hormonal e de absorção pela qual o paciente passa. É possível o paciente engravidar antes desse período e passar por uma gravidez normal, porém o ideal é esperar esses 1 ano e meio para minimizar os riscos
  • Após a cirurgia poderei comer a vontade que não irei engordar
    Essa também é uma das mais comentadas pelos pacientes. A cirurgia não irá impedir o paciente de comer bastante ou comer determinados alimentos. No começo o paciente tem dificuldade de comer muito devido ao novo tamanho do seu estômago (reduzido pela cirurgia), porém se o paciente ficar “forçando”, aos poucos voltará a comer tanto quanto comia anteriormente. A cirurgia é um meio para auxiliar o paciente a emagrecer, caso ele não se ajude obedecendo a uma dieta e passando a realizar atividades físicas, possivelmente ele irá reestabelecer o peso e os hábitos que ele tinha antes da cirurgia.

Ditos esses 5 mitos, reiteramos que a cirurgia é um trabalho em equipe. O fato mais importante da cirurgia não será o procedimento em si, mas sim a reeducação praticada pelos pacientes, essa sim irá trazer resultados ótimos a longo prazo. Caso possuam outras dúvidas, não deixem de nos perguntar por aqui ou via nossas redes sociais.

A Bariátrica pode ajudar quem tem refluxo?

Postado por master em 22/nov/2021 - Sem Comentários

Uma queixa muito comum de pacientes obesos é a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), devido a isso, hoje o assunto do nosso Blog será o refluxo e como a cirurgia bariátrica ajuda a tratar essa doença.

Definir o refluxo é fácil, na teoria ele é o retorno involuntário e repetitivo do conteúdo do estômago para o esôfago. Entre o esôfago e o estômago, existe uma válvula que se abre para dar passagem aos alimentos e se fecha imediatamente para impedir que o suco gástrico penetre no esôfago, pois a mucosa que o reveste não está preparada para receber uma substância tão irritante. Devido a alterações no esfíncter, esse conteúdo do estômago pode voltar ao esôfago do paciente, caracterizando o refluxo. A acidez irrita a parede do esôfago e causa a doença. Os principais sintomas são azia, regurgitação, perturbação do sono, dor no peito, comprometimento vocal e complicações respiratórias.

Caso você possua algum desses sintomas, a doença pode ser diagnosticada pela realização de endoscopia digestiva alta e também pHmetria. Por meio desses exames é possível ter um diagnóstico definitivo.

Porém a partir do momento que a DRGE foi diagnosticada, quais as maneiras de tratá-la? O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico. O tratamento clínico se baseia na administração de medicamentos que diminuem a produção de ácido pelo estômago e melhoram a motilidade do esôfago. Além disso, o paciente recebe orientação para perder peso, evitar alimentos e bebidas que agravam o quadro, fracionar a dieta, não se deitar logo após as refeições e praticar exercícios físicos. Já a cirurgia pode ser realizada de maneira convencional ou por laparoscopia e está indicada nos casos de hérnia de hiato, para os pacientes que não respondem bem ao tratamento clinico ou quando é necessário confeccionar uma válvula antirrefluxo.

Outro fator importante de ser ressaltado é o de que pacientes obesos possuem maior incidência de refluxo, e algumas vezes, o tratamento cirúrgico da obesidade, também afeta o refluxo dos pacientes. Em alguns procedimentos (como na cirurgia de bypass gástrico em Y-de-Roux), a perda de peso também é acompanhada pela resolução dos sintomas do refluxo (DRGE). No entanto, outras cirurgias bariátricas populares, como a Gastrectomia Vertical, têm um impacto controverso sobre seu efeito no refluxo.

Hoje já existem evidências de que há uma clara redução nos sintomas de refluxo ou resolução da DRGE na maioria dos pacientes pós-cirurgia de Bypass Gástrico. Estudos de pacientes com DRGE pré-operatória demonstraram que 96% dos seus pacientes apresentaram melhora ou resolução dos sintomas após o Bypass Gástrico (BGYR). Acredita-se que essa alteração venha do desvio da bile do estômago, promovendo perda de peso, diminuindo a produção de ácido na bolsa gástrica, diminuindo a população de células parietais, acelerando o esvaziamento gástrico e diminuindo a pressão abdominal sobre o Esfíncter Esofágico Inferior. Sendo assim, o Bypass gástrico poderia tanto tratar a obesidade quando o refluxo desse paciente.

Já no caso do Sleeve gástrico (Gastrectomia vertical), foi notado um aumento da incidência de doença do refluxo. Por mais que dentro do cenário dos procedimentos bariátricos o sleeve venha sendo cada vez mais comum, para tratar a DRGE ele não se mostra efetivo, pelo contrário. Ao analisar os resultados pós operatórios, notou-se que de 8,6% a 47% dos pacientes apresentaram sintomas do refluxo após a cirurgia.

De acordo com uma revisão retrospectiva do Bariatric Outcomes Longitudinal Database, pacientes obesos mórbidos com Doença do Refluxo apresentaram antes da cirurgia resolução dos sintomas em 16% nos pacientes que realizaram a Gastrectomia Vertical enquanto os que fizeram Bypass tiveram melhora bem mais significativa, chegando a 63%.

Portanto, chegamos à conclusão que, a depender da técnica utilizada, o paciente poderá ou não ter melhora do seu quadro de DRGE. Então, caso o paciente apenas seja afetado por refluxo (não acompanhado de obesidade), ele deverá tratar essa comorbidade, já nos casos em que o paciente é obeso mórbido e já está trilhando o caminho para realizar a bariátrica, torna-se importante conversar com seu médico e relatar o refluxo, uma vez que a depender da técnica utilizada, é possível que seu refluxo tenha remissão completa.

O que você precisa saber sobre Diabetes

Postado por master em 15/nov/2021 - Sem Comentários

Como uma das comorbidades mais comuns de encontrar em obesos é a diabetes mellitus do tipo 2, hoje nosso blog será focado na doença e em seus tratamentos.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o diabetes afeta cerca de 250 milhões de pessoas no mundo. Só no Brasil, a Sociedade Brasileira de Diabetes afirmou que, em 2019, mais de 13 milhões de pessoas viviam com a doença, sendo esse um número com potencial de crescimento. O dado é assustador, uma vez que as doenças crônicas não transmissíveis (como diabetes), são responsáveis por mais de setenta por cento das mortes.

Sabe-se também que atualmente o diabetes está cada vez mais presente em crianças e adolescentes em todo o mundo. No Brasil, o número de crianças e adolescentes com Diabetes Mellitus do tipo 2, principalmente na faixa compreendida entre os 8 e os 18 anos, tem crescido muito, por conta do aumento da prevalência da obesidade e do sedentarismo nessa faixa etária. De acordo com dadosda American Diabetes Association (ADA), há 50 anos o diabetes tipo 2 representava menos de 3% de todos os novos casos diagnosticados entre crianças e adolescentes. Hoje ele é responsável por até 30% dos casos registrados. No grupo dos adolescentes, segundo um estudo publicado no Journal of Pediatrics, a incidência do tipo 2 ultrapassa os 45% dos novos casos de diabetes.

O aumento no número de crianças com diabetes, principalmente do tipo 2, pode ser uma consequência direta dos maiores índices de obesidade, bem como do sedentarismo e do estresse desenvolvidos ainda na infância. O aumento no número de casos de diabetes na infância e na adolescência também é um reflexo da epidemia mundial de obesidade, decorrente do consumo excessivo de alimentos industrializados e pouco saudáveis, e também do aumento do sedentarismo dos jovens, muitas vezes associado ao aumento do uso de ferramentas tecnológicas.

O Dia Mundial do Diabetes foi uma data escolhida pela Federação Internacional de Diabetes (IDF) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para reforçar a conscientização a respeito da doença, principalmente para evidenciar a importância da prevenção e oferecer alternativas para as dificuldades enfrentadas pelos pacientes.

O que é?

O Diabetes Mellitus é uma doença crônica provocada pela falta ou incapacidade de utilizar a insulina adequadamente. A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por controlar a quantidade de glicose no nosso sangue ou, em outras palavras, os níveis de açúcar.

Quais são os tipos?

Apesar de ter a mesma essência, existem algumas particularidades que dividem o diabetes em mais de um tipo. De acordo com o ministério da saúde, esses são os principais:

  • Tipo 1: O próprio sistema imunológico da pessoa ataca e destrói as células produtoras de insulina. Ocorre em cerca de 5 a 10% das pessoas com diabetes, sendo mais frequente em jovens e crianças. Por esse motivo, o diagnóstico costuma ser feito na infância e adolescência.
  • Tipo 2: Resulta da resistência à insulina. Ou seja, o corpo não produz uma quantidade suficiente do hormônio ou existe uma incapacidade de absorção das células musculares e adiposas. Esse tipo ocorre em cerca de 90% das pessoas com diabetes, sendo mais comum em adultos ou em pessoas acima do peso, sedentárias, sem hábitos saudáveis de alimentação.
  • Diabetes Gestacional: Decorrente das mudanças hormonais, a ação da insulina pode ser reduzida durante a gestação. O pâncreas, consequentemente, aumenta a produção de insulina para compensar. Essa é uma condição que pode ou não persistir após o parto.
  • Pré-diabetes: Condição caracterizada pelo nível de açúcar no sangue acima do normal, mas não o suficiente para ser diagnosticado como diabetes. Serve de alerta, pois indica um risco grande da doença se desenvolver.

Qual o risco da doença?

A glicose é obtida por meio dos alimentos que ingerimos todos os dias. Eles são a nossa principal fonte de energia. O corpo precisa da insulina para conseguir metabolizar a glicose adquirida nesse processo, quando uma pessoa tem diabetes, ela não consegue utilizar a glicose adequadamente, provocando um déficit na metabolização desse carboidrato. Esses casos são caracterizados por hiperglicemia (altas taxas de açúcar no sangue) de forma permanente, condição que pode provocar danos em órgãos, vasos sanguíneos e nervos do paciente.

Como identificar?

Qualquer um pode ter diabetes, mas é importante analisar alguns fatores de risco para o desenvolvimento da doença, como:

  • presença de pessoas com diabetes na família
  • comportamentos sedentários
  • obesidade
  • hipertensão arterial
  • idade acima de 45 anos.

Além disso, alguns sintomas podem indicar a presença da doença. São eles:

  • fome frequente
  • sede intensa
  • desânimo
  • fraqueza
  • sonolência
  • tontura
  • perda de peso
  • urina em excesso
  • dificuldade na cicatrização de feridas e infecções frequentes.

É importante lembrar que, para cada tipo do diabetes, os sintomas podem variar. Portanto, nada substitui uma avaliação médica. Um simples exame de sangue pode revelar se você tem ou não.

Como tratar? Existe cura?

O diabetes não tem cura. O que pode acontecer é que a pessoa passe a apresentar, durante ou depois de um tratamento, níveis controlados de açúcar no seu sangue, que podem até serem níveis normais. Depois de diagnosticada, o tratamento do diabetes poderá ser feito tanto com insulina quanto com a medicação oral. Segundo o Ministério da Saúde, a insulina costuma ser usada para tratar o diabetes do tipo 1, embora sirva para alguns casos de tipo 2, como quando o pâncreas começa a não produzir mais o hormônio em quantidade suficiente.

Já a medicação oral é usada no tratamento de diabetes tipo 2 e, dependendo do princípio ativo, tem o papel de diminuir a resistência à insulina ou de estimular o pâncreas a produzir mais desse hormônio.

Ainda segundo o Ministério da Saúde, algumas complicações podem surgir se o diabetes não for tratado de forma adequada. São elas: problemas neurológicos, na visão, nos rins, nos pés e nas pernas, além de infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral. Se o paciente já estiver com diagnóstico de complicação crônica, há tratamentos específicos para ajudar na qualidade de vida. 

A alimentação é uma aliada importante no controle e prevenção de diversas doenças, entre elas o diabetes, alimentos in natura e minimamente processados, evitam o consumo de ultraprocessados que são ricos em gorduras, sal, açúcar e aditivos químicos. Além disso, a prática de atividade física ajuda a controlar a glicemia, manter o peso saudável e controlar o estresse, fatores que também contribuem para a evolução da doença. Ter uma vida fisicamente ativa e uma alimentação saudável é fundamental, tanto para prevenir quanto para controlar o diabetes.

Cirurgia Bariátrica e Libido

Postado por master em 08/nov/2021 - Sem Comentários

Dentre os diversos fatores da cirurgia bariátrica que mudam após o procedimento, a vida sexual do paciente também costuma passar por uma grande mudança, e esse será o assunto do nosso Blog de hoje.

Após realizar a cirurgia, o paciente terá sua vida social impactada principalmente por 2 motivos, o primeiro é hormonal e o segundo de auto estima.

Em relação ao fator hormonal, diversos fatores influenciam a pessoa obesa a ter queda na sua libido. A baixa autoestima e o desequilíbrio dos hormônios são os principais motivos para a queda do desejo sexual em obesos (além do efeito colateral de alguns medicamentos). Pessoas obesas costumam produzir leptina em excesso, essa substância exerce ação direta nas células do testículo, local onde é produzida a testosterona (hormônio responsável pela libido tanto em homens quanto em mulheres), se o hormônio estiver em quantia alta, desequilibra a testosterona, afetando o desejo. Além disso, também para homens, existe uma enzima chamada aromatase responsável por transformar testosterona em estradiol (hormônio feminino), homens obesos possuem essa enzima em maior quantidade, comprometendo a sexualidade de todo o organismo.

Para as mulheres, a obesidade traz níveis reduzidos de estrogênio, diminuindo a libido e podendo afetar outros fatores como o tamanho das mamas, ciclo menstrual e aumento da TPM. Além disso, a resistência à insulina, que pode causar a síndrome dos ovários policísticos (SOP), condição que leva à infertilidade. Ao emagrecer, o paciente passa a ter um metabolismo mais saudável, não passando por todos esses problemas citados.

Em relação à autoestima, diversos fatores alteram também a libido. A alteração da autoestima interfere na produção hormonal e também no estilo de vida da pessoa. Normalmente ao emagrecer, o paciente passa a se alimentar bem e também realizar atividades físicas, fazendo diferença para o corpo e também para o emocional, estimulando o aumento da libido. Quando o paciente se sente mais seguro em relação ao seu próprio corpo, naturalmente a vontade de fazer sexo aumenta.

Além disso, os pacientes apresentam menos limitações relacionadas à saúde durante o sexo, o que contribui para o aumento do desejo sexual.

Após a cirurgia, a libido da paciente irá aumentar?

Não necessariamente, cada caso é um caso. Os fatores hormonais e de autoestima influenciam positivamente, porém em alguns casos acontece de a autoestima da paciente piorar devido ao emagrecimento rápido e ocorrência de sobras de pele.

Porém no caso de uma alteração negativa na libido, o que fazer? É interessante a mulher procurar um ginecologista e o homem, um urologista para investigar. Um psicólogo ou psiquiatra também pode ser uma opção.

Entre as mulheres é deve ser levado em consideração trocar o anticoncepcional (normal depois de uma bariátrica), uma vez que o uso ou não de método hormonal é diretamente ligado à questão da libido.

Porém a conclusão é que o mais comum é a bariátrica resultar em uma melhora da libido, principalmente pela elevação da autoestima e pelo controle de comorbidades, mas é importante lembrar que cada pessoa reage de uma forma. Fatores hormonais, físicos e psicológicos podem gerar o efeito contrário e acabar acarretando na diminuição da libido.

Foi apresentado um estudo na Obesity Week, encontro anual realizado pela American Society for Metabolic and Bariatric Surgery (Sociedade Americana para Cirurgias Metabólicas e Bariátricas, na tradução literal) e pela The Obesity Society (Sociedade da Obesidade, também em tradução literal) sobre a alteração trazida na vida sexual do paciente.

Para realizar a pesquisa, duas mil pessoas foram abordadas sobre suas vidas sexuais depois de cinco anos de cirurgia bariátrica. Um ano depois do procedimento, os pacientes demonstraram mais apetite e desejo sexual e mais satisfação com suas performances, além de menos limitações relacionadas à saúde durante o sexo.

O estudo revelou, ainda, que depois de cinco anos pós-cirurgia, 52% das mulheres e 58% dos homens mantém relações sexuais muito mais satisfatórias do que 31% e 28% daqueles que ainda não realizaram o procedimento, respectivamente.

Saúde do Homem x Cirurgia Bariátrica

Postado por master em 01/nov/2021 - Sem Comentários

O mês de novembro é lembrado pela cor azul, relacionado ao combate do câncer de próstata e também sobre a importância dos homens cuidarem de sua saúde. Por este motivo, hoje vamos falar sobre a saúde do homem e que benefícios a cirurgia bariátrica pode trazer.

Escrevemos sempre sobre a obesidade aqui e não é novidade para ninguém que ela traz consigo diversas patologias e alterações na vida das pessoas, mas será que existe alguma desvantagem exclusiva para os homens?

Obesidade e Saúde do Homem

A obesidade é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) um dos maiores problemas de saúde pública pois reduz a expectativa de vida e possui várias de doenças relacionadas, as tão faladas comorbidades. Porém falando especificamente do homem, podemos incluir:

  • Maior risco de aterosclerose (acúmulo de placas de colesterol nas paredes das artérias);
  • Diabetes;
  • Síndrome metabólica;
  • Doença hepática gordurosa não alcoólica;
  • Problemas cardíacos;
  • Disfunção erétil (impotência sexual).

Além disso, a obesidade é um dos principais fatores relacionados à andropausa, condição multifatorial caracterizada pela queda dos níveis de testosterona em homens, também conhecida como hipogonadismo.

Cirurgia Bariátrica em Homens

Mas você sabia que apesar de todos estes riscos que a obesidade traz para a saúde do homem, ainda existe uma relutância maior que as mulheres em relação à realização da cirurgia bariátrica?

Um estudo da UC Davis publicado em 2013 (na revista “Surgical Endoscopy”), conduzido nos EUA, mostrou que mulheres são quatro vezes mais propensas do que homens a procurarem a cirurgia bariátrica. Por isso, quando pessoas do sexo masculino optam pelo tratamento cirúrgico da obesidade, costumam ser mais velhos, mais obesos e apresentam mais complicações decorrentes da doença. Nesse estudo os pesquisadores coletaram informações de 1.386 pacientes entre 2002 e 2006, sendo que 82% eram mulheres.

Esses pacientes do sexo masculino:

  • Tinham mais complicações relacionadas ao peso em um grau maior de seriedade;
  • Eram mais propensos a ter hipertensão, diabetes, apneia do sono e síndrome metabólica.
  • Tinham IMC maior e chances aumentadas de obesidade grau IV;
  • Eram em média dois anos mais velhos do que as mulheres e com chances maiores de terem mais de 50 anos.

No Brasil, apesar de o índice de obesidade ser semelhante entre mulheres (19,6%) e homens (18,1%), de acordo com o último relatório VIGITEL do Ministério da Saúde, o número de mulheres que procuram por cirurgia bariátrica no Brasil é muito maior. Segundo dados da SBCBM, dos 105.642 procedimentos realizados em 2017 no País, 75% foram em mulheres.

Portanto, por mais que o procedimento também possua vantagens para os homens, ele é muito menos popular entre o gênero, sendo que a cirurgia possui também algumas vantagens notadas apenas no sexo masculino.

Estudos revelam que o procedimento também pode auxiliar com o aumento da fertilidade nos homens.  A perda ponderal de peso promovida pela cirurgia bariátrica auxilia na regularização das funções hormonais do homem (influenciando a qualidade e quantidade do esperma), contribuindo com o aumento na fertilidade nesses pacientes.

Além disso, outro estudo feito nos Estados Unidos acompanhou os indivíduos durante um, três, seis e doze meses após a cirurgia bariátrica. Passado o período de um ano, detectou-se que os níveis de testosterona total urinário aumentaram significativamente três meses após a cirurgia e permaneceram assim ao longo do estudo.

Portanto os resultados obtidos até hoje mostram a efetividade do procedimento no tratamento da doença e melhora de vida do paciente. Portanto se você é homem ou mulher e se encontra em um estado de obesidade mórbida com indicação cirúrgica, não deixe de ao menos ir a uma consulta para se informar e entender os benefícios que ele pode te trazer. Na maioria dos casos, o paciente está mais em perigo de se manter obeso por mais tempo do que realizar o procedimento e acompanhamento para combater a obesidade.

Saiba mais sobre Cirurgia Bariátrica conosco clicando aqui.

Saúde Bucal e Cirurgia Bariátrica

Postado por master em 25/out/2021 - Sem Comentários

Talvez você nunca parou pra pensar nessa relação mas sabia que existe uma relação bem importante entre a sua saúde bucal e a cirurgia bariátrica? Pois é, e nós escolhemos este Dia Nacional da Saúde Bucal pra falar sobre isso com vocês.

Sabemos que a saúde bucal é extremamente importante na vida de qualquer pessoa, porque ela influencia muito no modo com que você se alimenta e digere os alimentos, e justamente por isso alguns pacientes de cirurgia bariátrica necessitam ter um acompanhamento mais próximo de um dentista. Por exemplo, pacientes que tem mais de um dente perdido na mesma região, tem a passagem do alimento livre, impossibilitando que o ele mastigue, o fazendo optar por opções pequenas (podendo não ser suficiente).

Além disso, pacientes que comem errado normalmente tem uma saúde bucal prejudicada. A alimentação com alto teor de alimentos açucarados, como o leite condensado, vai ter uma consequência na saúde bucal, especialmente ligado à cárie dentária.

Vamos agora falar um pouco sobre quais cuidados você deve ter no pré e no pós-cirúrgico.

Pré-cirúrgico

O alto consumo de carboidratos e açúcares aliados a uma higiene bucal deficitária são fatores determinantes de problemas como cáries, problemas de canal e periodontais (osso e gengiva) podendo levar a futuras extrações dentárias e consequente perda da função mastigatória. Além disso, o diabetes, doença comumente associada à obesidade, favorece o desenvolvimento da doença periodontal com acentuada perda de dentes. Portanto é claro que a população obesa possui disfunções bucais com mais frequência que a população não obesa.

Por isso, é muito importante, desde o início do acompanhamento pré-operatório do paciente, a avaliação clínica, adequação de meio e orientações de higiene bucal nos pacientes que serão submetidos ao procedimento de redução de estômago. Mais importante ainda é quando a equipe médica trabalha em conjunto com o Dentista e o Nutricionista, áreas diretamente relacionadas com a ingestão de alimentos.

O acompanhamento pré-operatório se mostra importante também pois pacientes que têm baixa saúde bucal costumam preferir por alimentos líquidos. Nesse caso são oferecidos alimentos mais pastosos, com a quantidade suficiente de nutrientes. Além disso, é estimulada a mastigação.

Dicas para antes da cirurgia

  • Procurar um profissional de sua confiança, ou da equipe multidisciplinar que verificará as condições de saúde oral;
  • A avaliação inicial deve levar em conta a presença de cáries, focos de infecção (problemas periodontais e endodônticos), extrações e ausências dentárias;
  • Seguir com disciplina todas as recomendações passadas;
  • Iniciar o tratamento dentário assim que qualquer irregularidade for detectada.

Pós-cirúrgico

A mastigação incorreta é uma das causas de complicação para os pacientes após a cirurgia bariátrica, nosso cérebro leva até 20 minutos para entender que não estamos mais com fome. É necessário ter atenção no momento da alimentação e evitar atos como comer em frente à televisão, por exemplo.

Após a cirurgia é muito comum o relato de boca seca e dentes ásperos, assim como áreas irritadas e descamadas de tecido mole. Isso ocorre devido à diminuição da ingestão de líquidos nos primeiros meses pós cirurgia, até que o paciente se acostume com sua nova dieta.

Ingerir água é muito importante para a manutenção da fluidez da saliva. Quando o paciente bebe menos água, a saliva fica pastosa e dificulta a higienização adequada do meio bucal. Essa condição de diminuição do fluxo salivar favorece a irritação da mucosa bucal, que se manifesta como áreas avermelhadas, descamadas e doloridas, seja na gengiva, língua ou mucosa da bochecha. Com a menor produção de saliva, também ocorrem mudanças na capacidade de neutralização dos ácidos produzidos pelas bactérias cariogênicas e maior possibilidade de acúmulo de placa bacteriana e desmineralização da superfície do esmalte.

O acúmulo de placa também está relacionado com a dieta, no primeiro mês a dieta é menos consistente, o que diminui o atrito do alimento e a remoção mecânica grosseira da placa bacteriana que se acumula na superfície dental. Até que os alimentos sejam reintroduzidos e a consistência da alimentação deixe de ser líquida e/ou pastosa, o paciente vai relatar que os dentes estão ásperos.

Dicas para depois da cirurgia

  • É necessário reaprender a mastigar e triturar os alimentos devido à nova condição estomacal, muito reduzida. Proteínas e carnes são a base da alimentação no pós-operatório. Boa dentição resulta em boa mastigação para alimentos mais consistentes;
  • Pacientes que perderam parcialmente os dentes deverão buscar a reabilitação para a efetiva mastigação;
  • Não descuide! Por ter que fazer refeições com maior frequência e mais prolongadas, pacientes operados podem ter maior risco de cáries. Os dentes precisam estar em ordem, pois serão utilizados de maneira mais efetiva;
  • Usuários de prótese total, devido ao emagrecimento, deverão fazer reajustes. A prótese tende a folgar e dificultar a mastigação;
  • Criar o hábito de consultar o dentista regularmente (duas vezes ao ano). Prevenção é fundamental.

Qual o papel do Dentista na sua nova realidade?

Como já deu pra perceber o dentista é um grande aliado para o seu processo bariátrico também. Ele vai te orientar e ajudar a manter sua saúde bucal em dia o que vai ajudar também no pós-cirúrgico. Veja qual o papel deste profissional na sua nova realidade:

  • Adequar o meio bucal por meio de raspagens e polimento dental;
  • Identificar e tratar lesões de cárie;
  • Orientação de higiene: técnicas de escovação, aplicação tópica de flúor e prescrição de enxaguatório bucal sem álcool e utilização do fio dental;
  • Esclarecer o paciente sobre as alterações bucais decorrentes da mudança alimentar do paciente: boca seca, gengiva irritada, áreas descamadas, etc;
  • Orientar o paciente quanto à ingestão de líquidos e a relação da hidratação com a qualidade da saliva;
  • Exame de tecidos moles para verificar lesões pré-existentes;
  • Acompanhamento radiográfico das superfícies interproximais, em especial de molares e pré-molares após a realização do procedimento cirúrgico;
  • Acompanhamento clínico do paciente após a cirurgia, com revisões periódicas, em especial durante o período de mudança de dieta (líquida, pastosa, branda) até que ela se normalize.

Ficou alguma dúvida? Converse com seu cirurgião bariátrico e peça mais informações sobre o assunto.
Para saber como funciona a cirurgia bariátrica conosco, clique aqui.

Suzanclin Vivalight
Unidades em Suzano, Mogi e Vila Guilherme
Nos acompanhe no facebook,  instagram e no youtube